O ensino da fé cristã na Península Ibérica
(séculos XIV, XV e XVI)

As Horas em português

FREI JOÃO CLARO, Luís Fernandes / Anônimo. Horas de nossa Senhora segundo costume Romaano [...]. Paris: 1500.

Impressas em Paris, em 1501.

Horas de nossa Senhora segundo costume Romaano . com as horas do spirito sancto . e da cruz e dos finados . e sete psalmos . e oraçam de sam lyom papa . e oraçam da empardeada . e com outras muytas e deuotas oraçoões, constituí o título de um livro cujo único exemplar se conserva na Biblioteca do Congresso, em Washington (USA).

O Livro

Trata-se de um livro impresso a preto e vermelho, em papel, no formato in oitavo, de 190×125 milímetros, formado por 240 páginas.

O texto é enquadrado por elementos decorativos. A cercadura lateral exterior, de maior dimensão, apresenta, na maioria das vezes, imagens relacionadas com o texto que envolve. Algumas dessas bordaduras presentam, elas próprias, uma história, em sequência, com legendas explicativas, ao género de uma banda desenhada.

Gravuras de um maior formato, ocupando quase toda a mancha de impressão, servem de introdução ou de divisão das diferentes partes do livro ou para assinalar o começo de cada ofício.

Os elementos decorativos foram abertos, em cobre, para o livreiro Simon Vostre e utilizadas em diferentes oficinas.


Oficina e data de impressão das Horas

A oficina e a data de impressão das Horas de Nossa Senhora são complexas. O cólofon diz-nos: “Foy todo em paris empremjdo por mestre narciseus brun elemão”.

Mas Narcisse Brun é um impressor de que nos chegou pouca informação. Da sua vida, para além da impressão deste livro, apenas sabemos que: casou com Marie Hopyl, filha de Wolfgang Hopyl, livreiro-impressor da Universidade de Paris, em data desconhecida; e que morreu antes de 1523, pois a essa data sua mulher aparece já casada com Nicolas Prevost, igualmente impressor. 

Atendendo a este casamento a Library of Congress colocou a hipótese de Narcisse Brun ter utilizado a oficina de seu sogro para a impressão das Horas. Porém, o material tipográfico utilizado por Narcisse Brun não aparece referenciado entre o material em utilização por Wolfgang Hopyl. Os tipos utilizados aparecem, em 1499, em associação com as mesmas gravuras que viriam a ser utilizadas nas Horas de Nossa Senhora, na oficina de Philippe Pigouchet, em Paris. Aceitando o cólofon, conservamos Narcisse Brun como seu impressor. 

Antes de fixarmos a data de impressão, atentemos no que nos diz o cólofon, em português actualizado: “Foi todo em Paris imprimido, por mestre Narcisse Brun, alemão, a 13 dias do mês de Fevereiro, Era do senhor de 1500”.

Até 1568, no território francês, o começo do ano dependia de cada diocese. Por exemplo: na Aquitânia, começava na Anunciação (25 de Marco); na Borgonha, a 25 de Dezembro; em Paris, no Domingo de Páscoa. Assim 13 de Fevereiro de 1500 corresponde, em Paris, no sistema de contagem actual, a 13 de Fevereiro de 1501.


João Claro, doutor em Teologia, e Luís Fernandes, estudante em Artes, revisores do Livro de Horas

O cólofon diz ainda: “Assim se acabam, com o divino adjutório, as Horas de Nossa Senhora com as outras devotas horas e orações: segundo costume romano, trasladado todo de latim em linguagem portuguesa: visto e emendado por o Reverendo Frei João Claro português, doutor em a Santa Teologia e Luís Fernandes outrossi português estudante em Artes, criado da rainha de Portugal dona Leonor. Foi todo em Paris (...)”.

Sabe-se que frei João Claro, depois de Roma não lhe ter confirmado a eleição para Abade de Alcobaça (1492), parte para Paris, onde vai estudar Teologia, terminando o curso a 5 de Abril de 1500. Regressando a Portugal, foi eleito e aprovado como professor da cadeira de Vésperas de Teologia, da Universidade de Lisboa, em 1503. No período que esteve em Paris colaborou, com Luís Fernandes, na adaptação e revisão das Horas de nossa senhora.

Quanto a Luís Fernandes, sabemos apenas, pelo cólofon do livro, que pertencia à casa da Rainha D. Leonor e que estudava Artes, possivelmente também em Paris, mas onde não deve ter defendido nenhuma tese e por isso não subsistiu memória do seu nome nos registos que ficaram da Universidade.

O cólofon leva-nos a acreditar que a tradução possa ter sido feita pela mão de outra pessoa; separa o acto de traduzir do acto de emendar e visionar. Dada a qualidade e a quantidade de gralhas e de erros lexicais podemos presumir que o trabalho incidiu especialmente sobre o manuscrito; sendo antes um trabalho de adaptação - a partir dos Livros de Horas impressos em Paris, em latim ou em outras línguas romance -, aos costumes e realidades portuguesas: desde a introdução de Santos próprios do devocionário lusitano, à inclusão de orações que não se encontram em outros livros contemporâneos que eram destinados ao público da restante Europa. E essa adaptação foi feita a duas mãos, ocupando-se, possivelmente, cada um dos revisores da sua parte; é que traduções de um mesmo texto se apresentam com diferentes formas de sintaxe, de grafia e de léxico ao longo do texto - atente-se, por exemplo, ao começo das horas de Nossa Senhora, das da Cruz e do Espirito Santo nas quais se apresenta a tradução do Domine, labia mea aperies, et os meum annunciabit laudem tuam (Psalmos 51:17) de forma diferente: Senhor os meus beiços abrirás e a minha boca manifestara o teu louvor; Senhor abrirás os meus beiços e a minha boca denunciara o teu louvor. A obra também apresenta, em momentos diferentes, duas versões completamente díspares do Pai-Nosso em português.


Público destinatário

Enquanto a maioria dos restantes Livros de Horas impressos em Paris, nos finais do século xv e começos do xvi, apresenta, na portada, ou uma ilustração apropriada ao assunto ou o timbre do impressor, as horas de Nossa Senhora apresentam o brasão do Rei de Portugal. O uso deste tipo de brasão, embora não seja inédito aparecer impresso em livros dos séculos xv e xvi, encontra-se, na maioria das vezes, associado a obras que ou foram encomendadas pela família real ou tiveram o seu patrocínio; não se esqueça que Luís Fernandes era «criado» da casa da Rainha D. Leonor.

Sousa Viterbo, o primeiro português que se referiu (1901) a estas Horas de Nossa Senhora, coloca a hipótese de que a encomenda visasse a missionação e que fossem desta edição os cem livros de Horas que D. Manuel I mandou enviar a Preste João – o Negus da Abissínia – em 23 de Marco de 1515. Poderá não ter sido esta edição, dado que outras idênticas foram impressas, ainda antes de 1515. Mas, certamente, que outros envios foram feitos, quer antes quer depois, para diferentes espaços em evangelização, o que justificaria as encomendas regias. 

Podemos afirmar que a hipótese sugerida por Viterbo tem fundamento. A base continuou a ser o texto «visto e emendado» por Frei João Claro e Luís Fernandes. A este texto se foram suprimindo, modificando ou acrescentando alguns sufrágios sugeridos, talvez, por novas devoções, no primeiro caso e por censura inquisitória no segundo. Na edição de 1563 fazem-se sentir maiores correcções estilísticas e lexicais.

Como se vinham imprimindo diferentes Livros de Horas, em Paris, desde 1486 [6 de Fevereiro de 1485, no antigo sistema de datação], as grandes novidades neste livro, para além do texto em romance – constituindo, muitas vezes, a primeira versão conhecida –, são o de permitir o conhecimento das orações que tinham grande devoção em Portugal.


João José Alves Dias
Universidade Nova de Lisboa

Edições Modernas

DIAS, João José Alves. Rezar em Português: Horas de Nossa Senhora segundo costume Romaano. Paris: Narcisse Bruno, 13 de Fevereiro de 1500 [i. é 1501]. 2. edição, Lisboa: Biblioteca Nacional de Portugal, 2010. (ed. em dois volumes: fac-simile e estudo).

Trecho traduzido e modernizado

Para achar a letra domingal na roda supradita. Note que no ano do nascimento de nosso Senhor Jesus Cristo de 1495 econtra-se a letra domingal. Aquela que está na casa depois da e o ano seguinte está na casa seguinte. Cb é ano bissexto, e assim conta-se sempre para cada ano uma casa até o ano que deseje encontrar a letra, até que acabe a quantidade dos anos buscados. E se em determinada casa se encontra uma letra só, é um ano; e se encontram duas, é ano bissexto. Portanto, a casa que está dentro da roda gira até o dia de São Matias apóstolo, que é 24 de fevereiro, e a outra que está por fora da roda gira até o fim do ano. E se queres saber onde tal letra se encontrava anos atrás, conta para cada ano uma casa.

Autor do documento: Frei João Claro, Luís Fernandes / Anônimo.

Nome do documento: Horas de nossa Senhora segundo costume Romaano (...)

Data da composição: 1500.

Lugar de composição ou impressão: Paris

Imagem: Manuscrito da Biblioteca do Congresso de Washington. 

https://www.loc.gov/resource/rbc0001.2006rosen0451/?sp=8